Honda estreia, faz gol, mas Botafogo empata com o Bangu no Nilton Santos

Publicado em 15/03/2020 Editoria: Esporte

As atenções, mesmo com os portões do Estádio Nilton Santos fechados por causa da pandemia de coronavírus, eram todas voltadas para a estreia do japonês Keisuke Honda com a camisa do Botafogo. E o apoiador correspondeu, jogou bem, fez seu primeiro gol — de pênalti —, mas no segundo tempo viu o Glorioso só empatar com o Bangu, em 1 a 1, na tarde deste domingo, pela terceira rodada da Taça Rio.

O tropeço deixou o clube da Estrela Solitária em situação ruim no Grupo A: quatro pontos e na quarta colocação, atrás de Bangu, Boavista (ambos com quatro e melhores saldos) e Flamengo (nove). Agora, em função da paralisação das competições organizadas pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF), o Alvinegro agora não sabe quando voltará a campo pela Copa do Brasil. A expectativa é que nesta próxima segunda-feira o Campeonato Carioca também seja suspenso.

Quando a bola rolou, logo com um minuto o Bangu quase abriu os trabalhos. E nem demorou muito para Honda mostrar qualidade, criando duas excelentes oportunidades para a equipe pular na frente. Um pouco melhor do que os visitantes, o Botafogo chegou ao gol aos 28, quando Honda — em pênalti inexistente do goleiro Matheus Inácio em Rafael Navarro —, cobrou com categoria e marcou.

Com toques curtos e alguns lançamentos precisos, o camisa 4, mesmo sem ritmo em função do longo período de inatividade, demonstrou que será muito útil ao técnico Paulo Autuori. A primeira etapa alvinegra foi satisfatória, mas, aos poucos, o Bangu começou a colocar as mangas de fora.

Na etapa final, como de costume, o Alvinegro caiu de rendimento. E as coisas pioraram aos 13, quando Rhainer recebeu livre na área e tocou com categoria por cima de Gatito: 1 a 1. Pouco tempo depois Honda acabou substituído por Luiz Fernando. O japonês, com cara de poucos amigos, não gostou da decisão do treinador. Preguiçoso, o Botafogo ainda acertou uma bola na trave com Alex Santana nos acréscimos, mas o resultado acabou sendo justo.

› FONTE: O Dia