RJ NEWS ONLINE
Cotação
RSS

Carapebus decreta situação de emergência após alagamento

Publicado em 28/11/2020 Editoria: Geral sem comentários Comente! Imprimir


Com as fortes chuvas, lagoa de Carapebus transbordou

Com as fortes chuvas, lagoa de Carapebus transbordou

A Prefeitura de Carapebus decretou situação de emergência, na última quarta-feira, dia 25 de novembro, devido às fortes chuvas que caíram na cidade, principalmente no último dia 19 de novembro. A Lagoa de Carapebus chegou a transbordar e atingiu cerca de 60 a 100 casas do bairro Balneário de Praia de Carapebus. As famílias tiveram que deixar suas residências e, segundo a prefeitura, estão alojadas em casas de parentes.

Na última quinta-feira, dia 26, o Coordenador Estadual da Defesa Civil, Major Philipe Oliveira, esteve vistoriando a localidade, juntamente com o Coordenador Municipal de Proteção e Defesa Civil de Carapebus, José Amaro Barreto de Souza, para avaliar o cenário em virtude dos alagamentos. Durante a visita, Oliveira informou que solicitou ao Departamento Geral da Defesa Civil (DGDEC), junto ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), a abertura da barra da Lagoa de Carapebus.

As ruas e casas do bairro Balneário de Praia de Carapebus estão alagadas há mais de quatro dias. Segundo a prefeitura, a localidade possui estrada de chão e a água não consegue escoar. Para chegar ao bairro, apenas com veículo de grande porte ou tração.

A Prefeitura de Carapebus informou também, na última quinta-feira (26), que será preciso esperar as águas abaixarem para que possa fazer um relatório minucioso e detalhado do local atingido.

O morador da localidade, José Vasconcelos de Luna Júnior, que mora na praia há 51 anos, afirmou que está estarrecido com o descaso da Prefeitura de Carapebus, em relação aos moradores locais. Segundo ele, as chuvas acontecem todos os anos, as ações e intervenções de infraestrutura nunca foram realizadas pelo executivo. “Enquanto isso não for feito, será recorrente todos os anos. Não se trata mais de uma situação de emergência e sim de incompetência, negligência e descaso dos gestores da cidade”, avaliou.

Para o morador da praia, Antônio Rainho, que precisou sair de casa e está alojado na casa do filho, é necessária a abertura da barra, só que uma briga interna entre prefeitura e ICMBio atrapalha o processo. “Enquanto isso, quem sofre somos nós, moradores. A situação não é de emergência e sim de caos. Fica esse jogo de ‘empurra empurra’ entre prefeitura e o órgão ambiental e nada fazem. Não sei quando conseguirei voltar para minha casa. Eu e outros moradores. É lamentável”, declarou.

Senhor Antônio relatou ainda que, apesar da casa ser no alto - ela foi construída a 60 centímetros acima do aterro, a água invadiu totalmente o terreno. Ele perdeu plantações e animais. “Morreram da outra vez também, com a enchente, e tudo está alagado novamente e os animais estão morrendo. Eu tive que sair da minha casa. Tenho 75 anos, moro sozinho e não posso ficar na minha casa, que está abandonada, assim como outras residências. Não consigo voltar porque a água continua subindo. A situação está muito séria mesmo”, concluiu.

› FONTE: RJ News


sem comentários

Deixe o seu comentário