Macaé News
Cotação
RSS

EUA e Rússia bloqueiam planos da ONU para um cessar-fogo global

Publicado em 19/04/2020 Editoria: Mundo sem comentários Comente! Imprimir


O governo Trump e a Rússia estão bloqueando os esforços para obter o apoio do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) a um cessar-fogo global para ajudar a combater a pandemia de coronavírus, que já matou mais de 150 mil vidas em todo o mundo.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu o fim imediato da luta envolvendo governos e grupos armados em todas as áreas de conflito há quase um mês. "A fúria do vírus ilustra a loucura da guerra", disse ele.

No entanto, apesar do forte apoio a uma trégua universal de dezenas de países, incluindo os principais aliados dos EUA, como Grã-Bretanha, França e Alemanha, bem como grupos de direitos humanos, instituições de caridade e papa, o governo Trump se recusa a ficar vinculado à medida.


Em uma tentativa de romper o impasse, o presidente francês Emmanuel Macron propôs um projeto de resolução do conselho de segurança que tenta superar as objeções dos EUA e da Rússia, impedindo, de fato, a execução .

A resolução, conforme redigida, deve ser bem-vinda ao apelo do secretário-geral da ONU e expressar apoio a seus esforços. Mas não insiste em um cessar-fogo universal e obrigatório, permitindo que exceções sejam feitas a critério de cada um dos Estados membros.

As objeções dos EUA surgem da Casa Branca, do Pentágono e do Departamento de Estado, preocupando-se com o fato de que uma medida abrangente poderia prejudicar sua capacidade de processar operações militares contra grupos terroristas e outros alvos considerados hostis aos interesses dos EUA.

Acredita-se que o presidente da Rússia, Vladimir Putin, tenha reservas semelhantes em relação ao impacto nas operações militares russas na Síria e no apoio não reconhecido de Moscou a grupos substitutos e milícias não estatais em países de guerra, como a Líbia.

De acordo com um relatório especial publicado pelo site de política externa dos EUA, "ambos os governos temem que um cessar-fogo universal possa potencialmente restringir seus próprios esforços para montar o que consideram operações legítimas de contraterrorismo no exterior."

"Os EUA também estão preocupados com o fato de que um cessar-fogo geral possa inibir a capacidade de Israel de se envolver em operações militares em todo o Oriente Médio", disse o autor do relatório, Colum Lynch, uma referência a ataques aéreos israelenses nos últimos meses sobre alvos na Síria, Iraque e Líbano.

Além disso, dizem os analistas, o presidente Donald Trump e seus conselheiros querem manter a liberdade de lançar ataques à milícia pró-iraniana no Iraque, como aconteceu recentemente, ou realizar ataques oportunistas contra os líderes militares do Irã, semelhante ao ataque aéreo dos EUA em janeiro que matou o general do Corpo da Guarda Revolucionária, Qassem Suleimani.

Em 23 de março, Guterres apelou às partes em guerra em todo o mundo para acabar com as hostilidades e se unirem para combater a Covid-19.

"Termine a doença da guerra e lute contra a doença que está devastando nosso mundo. Comece parando a luta em todos os lugares. Agora. É disso que nossa família humana precisa agora, mais do que nunca", disse ele.

O argumento de Guterres foi endossado, no início deste mês, por instituições de caridade, organizações religiosas e grupos de direitos humanos. O Papa Francisco jogou seu peso em um discurso no domingo de Páscoa.

Na sexta-feira (17), Henrietta Fore, chefe da Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), alertou que 250 milhões de crianças que vivem no "pesadelo acordado" do conflito precisavam desesperadamente de paz parar de lutar enquanto a pandemia se espalhava.

Mais de 50 governos também apoiaram a iniciativa de Guterres, incluindo vários aliados da Otan. Em uma carta conjunta, que os EUA e a Rússia se recusaram a assinar, eles expressaram preocupação com o fato de o Conselho de Segurança da ONU ainda não ter tomado medidas.

"À medida que a pandemia mundial da Covid-19 se espalha, estamos preocupados com a situação de mulheres, crianças e todos os civis apanhados em conflitos armados... Essas populações já são impactadas desproporcionalmente por conflitos armados."

"Um cessar-fogo global imediato reduziria acentuadamente esses impactos, permitiria a assistência e proteção humanitária muito necessárias e, esperançosamente, diminuiria a propagação da Covid-19", dizia a carta.

Dominic Raab, secretário de Relações Exteriores do Reino Unido e primeiro-ministro interino, prometeu o apoio da Grã-Bretanha. O coronavírus foi "a luta de nossas vidas e devemos nos unir contra isso", disse ele.

Mas os EUA continuam a prevalecer, enquanto as negociações continuam. Kelly Craft, embaixadora dos EUA na ONU, expressou apoio a uma trégua global no início desta semana e disse esperar que a resolução francesa possa ser acordada em breve, possivelmente esta semana.

Mas um porta-voz do Departamento de Estado foi mais cauteloso . "Os Estados Unidos apóiam o apelo do secretário-geral por um cessar-fogo global, mas observaram que continuaremos cumprindo nossa missão legítima de combate ao terrorismo", disse o porta-voz à Foreign Policy.

O acordo sobre um cessar-fogo foi adiado pelas demandas dos EUA, agora supostamente suspensas, de que a resolução se refira à Covid-19 como o "vírus de Wuhan", uma descrição que teria atraído o veto chinês. Os EUA também se opuseram ao apoio à linguagem da Organização Mundial da Saúde (OMS), que Trump atacou e pagou.

Macron, no entanto, expressou otimismo de que o projeto de resolução seria aceito . Ele disse que conversou pessoalmente com Trump, o presidente da China, Xi Jinping, e o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, e todos ofereceram seu apoio.

Macron disse ter esperanças de que Putin também participe, e que uma cúpula em vídeo dos cinco membros permanentes do conselho de segurança seja realizada para anunciar seu acordo .

Embora esse resultado possa aumentar o prestígio do conselho, que foi fortemente criticado por inação durante a crise da Covid-19, pode decepcionar aqueles que exigem uma trégua incondicional e uma resposta internacional efetiva e unida.

Se as grandes potências optarem por ignorar um cessar-fogo global ordenado pela ONU quando lhes convier, alertam analistas, então atores não estatais e grupos terroristas podem decidir fazer o mesmo.

Desde que Guterres fez sua ligação no mês passado, foram registrados progressos esporádicos em várias zonas de conflito. A coalizão liderada pela Arábia Saudita anunciou um cessar-fogo no Iêmen e houve respostas positivas na Colômbia e nas Filipinas. Ao todo, a ONU citou 12 países nos quais pelo menos uma parte em um conflito reconheceu o apelo ao cessar-fogo para combater a pandemia.

Mas no Afeganistão, um dos conflitos mais antigos do mundo, há sinais de que o crescente impacto da Covid-19 pode estar minando  os esforços de paz.

Fonte: ultimosegundo

› FONTE: Macaé News (www.macaenews.com.br)


sem comentários

Deixe o seu comentário